Geografia da Amizade

Geografia da Amizade

Amizade...Amor:
Uma gota suave que tomba
No cálice da vida
Para diminuir seu amargor...
Amizade é um rasto de Deus
Nas praias dos homens;
Um lampejo do eterno
Riscando as trevas do tempo.
Sem o calor humano do amigo
A vida seria um deserto.
Amigo é alguém sempre perto,
Alguém presente,
Mesmo, quando longe, geograficamente.
Amigo é uma Segunda eucaristia,
Um Deus-conosco, bem gente,
Não em fragmentos de pão,
Mas no mistério de dois corações
Permutando sintonia
Num dueto de gratidão.
Na geografia
da amizade,
Do amor,
Até hoje não descobri
Se o amigo é luz, estrela,
Ou perfume de flor.
Sei apenas, com precisão,
Que ele torna mais rica e mais bela
A vida se faz canção!

"Roque Schneider"


Quem sou eu

Salvador, Bahia, Brazil
Geógrafa, soteropolitana, professora.
Loading...

segunda-feira, 27 de junho de 2011

SÉCULO XX – PERÍODO DA GUERRA FRIA VESTIBULARES 2011


(UEPB) Observe com atenção o mapa da Europa


Nele está representado (a)

a) a nova ordem mundial, multipolar, que não tem apenas os Estados nacionais como agentes organizadores do cenário nacional, mas também as grandes corporações multinacionais.
bo mundo bipolar da Guerra Fria, que se delineou logo após a Segunda Guerra Mundial e perdurou até 1989 com a queda do muro de Berlim, o que simbolizou o fim da divisão leste/oeste entre as duas potências militares.
c) a nova divisão internacional do trabalho, na qual os países do leste europeu deixam de comercializar prioritariamente com a Rússia e ampliam suas exportações com a Europa Ocidental.
d) a regionalização do mundo entre países ricos representados pelo Norte industrializado e os países pobres como sinônimos de Sul subdesenvolvido.
e) a União Europeia, que teve início em 1951 com a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, da qual faziam parte seis países, e entrou oficialmente em vigor em 1992 com doze países membros.

(PUC-PR) A foto a seguir diz respeito ao incidente que aconteceu no período da Guerra Fria, precisamente em 1962. Considerado por muitos como o confronto mais assustador entre as superpotências (EUA e URSS), resultou num recuo da manobra do governante russo Nikita Kruschev ao atender às exigências do presidente norte-americano John Kennedy:


Kruschev e Kennedy reunidos em 1961. Disponível em:
Acesso em 13/09/2010.

a) Glasnost.
b) Plano Marshall.
c) Criação da OTAN.
d) Criação da Détente.
e) Crise dos mísseis em Cuba.

(UFSC)


Imagem disponível em: <http://clubedamafalda.blogspot.com/2006_01_01_archive.html> Acesso em: 25 set. 2010.

Sobre o contexto da Guerra Fria, é CORRETO afirmar que:

a) na década de 1950, o Vietnã dividiu-se em duas porções: norte e sul. Coube aos Estados Unidos, na década de 1960, a reunificação do Vietnã.
b) a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), comandada pela União Soviética, um dos blocos militares surgidos no contexto da Guerra Fria, defendia militarmente os países socialistas.
c) a falta de democracia, o atraso econômico e a crise nas repúblicas soviéticas acabaram por acelerar a crise do socialismo no final da década de 1980.
d) a definição para a expressão Guerra Fria é atribuída a um conflito que aconteceu apenas no campo ideológico na Coreia, na China, em Cuba e no Vietnã, pois não houve conflito bélico entre as partes envolvidas.
e) na década de 1970, os Estados Unidos retiraram suas tropas militares de Seul, capital da Coreia do Sul, o que levou ao término da Guerra Fria e à reunificação do país sob o regime comunista.

(UNEP) A propósito do conceito de Guerra Fria, aplicado às relações internacionais após a Segunda Guerra Mundial, assinale a alternativa correta.

a) Trata da rivalidade entre blocos capitalistas e comunistas liderados, respectivamente, pelos EUA e pela URSS.
b) Indica as lutas travadas pelo povo iraniano contra a dinastia Pahlevi.
c) Aplica-se ao contexto de guerras pela independência nacional, ocorridas na Ásia e na África.
d) Explica o desenvolvimento de blocos econômicos em disputa, a saber: o Comecon e o MCE.
e) Contempla as disputas diplomáticas entre árabes e israelenses pela posse da península do Sinai.

(MACK)

As imagens em destaque evidenciam as condições do espaço geográfico do pós 2ª Guerra Mundial em diversos países. Frente a tantos efeitos nefastos, o mundo assumia o preço da reconstrução da Europa e da Ásia, além de se preocupar em evitar que outra guerra com essas proporções pudesse ocorrer novamente. Neste sentido, surge a ONU (Organização das Nações Unidas), oficializada em 24 de outubro de 1945 em substituição à antiga Liga das Nações. Mesmo em guerra, o bloco capitalista já desenvolvia planos e projetos de restauração, como ocorreu na Conferência de Bretton Woods que reuniu 44 países aliados em Junho de 1944.

A respeito dos fatos citados no texto, considere as afirmações I, II e III abaixo.

I. A ONU tem como objetivo manter a paz, defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais e promover o desenvolvimento dos países. Atualmente, discute-se a necessidade de reformas na Organização, que reflita a realidade do pós-guerra e da Guerra Fria, cenários já superados.
II. Pelo acordo de Bretton Woods, foram criadas instituições financeiras como o FMI (Fundo Monetário Internacional) e o World Bank (Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento).
III. Decorridos mais de 60 anos do acordo de Bretton Woods, verifica-se que os objetivos e as intenções originais diluíram-se ao longo do tempo. As instabilidades econômicas continuam existindo, principalmente nos países pobres, e os países ricos não precisam mais das condições e dos recursos oferecidos pelo FMI.

Dessa forma,
a) apenas I está correta.
b) apenas I e II estão corretas.
c) apenas II está correta.
d) apenas II e III estão corretas.
e) todas estão corretas.

(PUC-GO) As duas grandes marcas do século XX foram as guerras mundiais e o socialismo, ocasiões que geraram um terceiro grande fenômeno: a Guerra Fria, em que a moldura de uma ordem mundial bipolar se baseava na rivalidade entre os EUA e a União Soviética. Analise as proposições seguintes sobre as grandes transformações do século XX:

I - A partir de 1945, o mundo esteve dividido, predominantemente, em blocos de países sob influência dos EUA e da União Soviética, que entraram em confronto de forma direta, o que levou o mundo a temer o deflagrar de uma guerra nuclear iminente.
II - No Plano Marshall encontra-se a origem da Guerra Fria. Esse Plano representou a resposta americana à crise europeia, por meio do financiamento americano da reconstrução da Europa.
III - O zênite da Guerra Fria aconteceu no momento em que duas graves crises colocaram à prova a resolução das duas superpotências e comprovaram o perigo de uma guerra total. Trata-se da crise de Berlim, em 1961, e a crise dos mísseis em Cuba, em 1962.
IV - Por consequência do fim da Guerra Fria e da queda o muro de Berlim, o socialismo definitivamente
deixou de existir e de orientar a política de diversos países.
V - Pode-se concluir que, para o quadro histórico do final do século XX e início deste século, tanto o socialismo quanto o capitalismo conseguiram consolidar diretrizes para os graves problemas socioeconômicos e políticos que afligem a humanidade.

Após a análise das proposições, assinale a alternativa verdadeira:

a ) Apenas o item III é correto.
b) Os itens II e III estão errados.
c) Apenas o item V é correto.
d) Os itens II e III estão corretos.

(UNEAL) Esse era um dos cenários do mundo no pós-guerra: uma bipolarização maniqueísta entre Estados Unidos e União Soviética, que definiria a guerra fria.

(Flavio de Campos e Renan G. Miranda, Oficina de história: história integrada)

Sobre o processo apresentado, é correto afirmar que

a) a Alemanha e a Inglaterra, com suas armas nucleares, dividiram o mundo em dois blocos: o capitalista e o socialista, sendo inevitável o confronto bélico entre os blocos.
b) os Estados Unidos e a União Soviética tinham a tecnologia da bomba atômica, condição que transformou completamente as relações bélicas entre as duas potências.
c) o clima de guerra fria não contaminou todas as relações internacionais, pois parte da Europa ocidental não se envolveu com as superpotências e manteve-se neutra.
d) os Estados Unidos, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, ajudaram a Alemanha a destruir o muro de Berlim, na tentativa de tornar o país um aliado político.
e) embora o clima de guerra fria tenha amenizado nos últimos vinte anos, esse sistema ainda explica a hegemonia política do Leste Europeu.

(UCP) Ao longo das Idades Moderna e Contemporânea, a África sofreu a colonização e o imperialismo europeu. Apesar da resistência permanente, os povos africanos só conseguiram derrotar o colonialismo e o racismo com revoluções após a Segunda Guerra Mundial.

Exemplos dessas emancipações radicais, respectivamente, contra a França e Portugal, são as independências da

a) Guiné-Bissau e de Congo.
b) Argélia e de Angola.
c) Angola e de Moçambique.
d) Argélia e de Marrocos.
e) África do Sul e de Moçambique.

(UFES)


Analise os contextos geopolíticos mundiais que justificam os dados mostrados no gráfico.

Resposta:

O gráfico mostra o grande número de armas nucleares da URSS e dos EUA de 1950 a meados dos anos 1980, período que corresponde à Guerra Fria. Após o final da Guerra Fria há uma significativa diminuição do número de armas nucleares, o que corresponde ao não desenvolvimento de mais armamentos e à desativação das armas existentes. Os países mostrados do gráfico participam do conselho de segurança da ONU e são as potências nucleares signatárias do Tratado de Não-Proliferação Nuclear.

(MACK)

            Caía a tarde feito um viaduto
            E o bêbado trajando luto me lembrou Carlitos
            A lua, tal qual a dona do bordel
            Pedia a cada estrela fria um brilho de aluguel
            E nuvens, lá no mata borrão do céu,
            Chupavam manchas torturadas, que sufoco
            Louco, o bêbado com chapéu-coco
            Fazia irreverências mil pra noite do Brasil, meu Brasil
            Que sonha com a volta do irmão do Henfil
            Com tanta gente que partiu num rabo-de-foguete...

João Bosco e Aldir Blanc, “O bêbado e a equilibrista”, 1979

A canção destaca a figura do sociólogo Betinho, irmão do famoso cartunista Henfil, premiado com o Global 500, da ONU, por sua contribuição em favor da ecologia na Campanha pela Reforma Agrária. A letra da música retrata, na história recente do Brasil, o perfil dos

a) estudantes secundaristas, os “caras-pintadas”, exigindo medidas éticas contra o governo de Fernando Collor de Melo.
b) anistiados políticos, vítimas do regime repressivo durante a ditadura militar e a volta deles do exílio.
c) manifestantes que participaram da Campanha contra a Fome, liderados por Betinho contra a miséria social.
d) refugiados políticos, sendo a maioria integrantes do Partido Comunista Brasileiro, cassados durante o Estado Novo.
e) integrantes das campanhas “Diretas Já”, que nas capitais do país, se manifestaram a favor do retorno ao voto direto para presidência da República.

(FGVRIO-DIREITO)

No início de novembro de 1989, às vésperas das eleições presidenciais no Brasil, o mundo tomou conhecimento pela televisão da queda do muro de Berlim. Naquele momento, ruía não somente um dos símbolos da Guerra Fria, como o até então inexpugnável poderio da União das Repúblicas Socialistas
Soviéticas (URSS) na Europa Oriental. Logo em seguida, novos levantes populares vieram a derrubar os regimes comunistas em outros países do leste como Hungria, Checoslováquia, Polônia etc. O ato final desse processo foi a extinção, em 1991, da própria URSS em meio à decadência econômica, à crise política e ao avanço dos movimentos separatistas. Com o colapso soviético e o fim da bipolaridade que marcou a Guerra Fria, iniciou-se um novo ciclo nas relações internacionais.


a) EXPLIQUE uma razão que tenha influído no colapso dos regimes comunistas europeus.

b) JUSTIFIQUE o trecho sublinhado no texto.

c) Enquanto o povo tomava as ruas na Europa Oriental, o eleitorado brasileiro ia às urnas para eleger
pelo voto direto o novo presidente da República. EXPLIQUE o significado dessa eleição para o processo brasileiro de transição política.

Resposta:

a) Várias foram as razões que influíram no colapso do comunismo europeu, tais como: a falta de dinamismo da economia planificada socialista; o agravamento das lutas no interior do Partido Comunista; a intensificação das lutas sociais por maior liberdade política; o recrudescimento das lutas separatistas no interior da União Soviética.

b) O colapso do comunismo assinalou o início de uma nova ordem mundial, marcado pela presença de uma única superpotência – os Estados Unidos da América -, pela multipolaridade econômica, pelo acirramento dos conflitos nacionalistas e pela formação de blocos econômicos regionais, dos quais se destaca a Europa Unificada.

c) As eleições presidenciais de 1989 deverão ser examinadas pelo candidato no contexto das lutas da sociedade brasileira pela democratização do país. Deverá mencionar que foram as primeiras eleições diretas à presidência depois de 29 anos.

(UFAL) Após a II Guerra Mundial, a proposta de reconstrução da economia alemã, de acordo com o Plano Marshal, objetivava:

a) neutralizar a influência do Kominform sobre os partidos socialistas.
b) provocar crises políticas e rebeliões sociais na Europa Ocidental.
c) garantir o equilíbrio europeu com o fortalecimento do novo Estado alemão.
d) liberar a economia americana da crise de superprodução de alimentos.
e) impedir o desdobramento da Alemanha em duas nações, conforme proposta em Yale.

(UFAL) As afirmativas a seguir referem-se a um importante tema abordado pela Geografia Humana, especialmente pela Geografia Política, que é o Socialismo. Analise-as.

1) Como resultado das transformações provocadas pela Revolução Russa de 1917, a existência da
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas passou a ser um dos elementos decisivos do quadro político e social estabelecido por quase todo o século XX, sobretudo na Europa do Pós-Guerra.
2) Empregou-se a expressão “Socialismo” para designar, de forma genérica, um conjunto de teorias socioeconômicas, de ideologias e políticas que postulavam a abolição das desigualdades entre as classes sociais.
3) A URSS emergiu, após a Segunda Guerra Mundial, como uma das duas grandes superpotências mundiais acarretando, por conseguinte, a divisão do mundo em dois polos distintos e antagônicos.
4) A “Perestroika”, como um programa de reformas radicais imposto pelos países capitalistas, sobretudo os da Europa Ocidental, acelerou, na URSS, a democratização do regime político, levando à desagregação do antigo mecanismo de planejamento estatal.

Está(ão) correta(s):

a) 1 apenas
b) 1 e 4 apenas
c) 2 e 4 apenas
d) 1, 2 e 3 apenas
e) 1, 2, 3 e 4

(PUCSP)

“Criticamos toda sociedade em que as pessoas são passivas.”
                                                                            Daniel Cohn-Bendit, Londres, junho de 1968 -


“Nosso programa baseia-se na convicção de que o homem e a humanidade são capazes não apenas de aprender sobre o mundo, mas também de mudá-lo.”
                                                                          Alexander Dubcek, Boêmia, maio de 1968


Citados por Mark Kurlansky. . Rio de Janeiro: José Olympio, 2005 - 1968, o ano que abalou o mundo

As frases acima são de dois personagens centrais dos episódios rebeldes de 1968. Daniel Cohn-Bendit participou das lutas estudantis na França e Alexander Dubcek foi um dos líderes da “Primavera de Praga”.

Podemos dizer que as frases

a) diferem, pois o movimento francês se caracterizou pela busca da anarquia e o checo, pela defesa do socialismo real.
b) assemelham-se por seu caráter utópico e anti-popular, bastante estranho ao contexto político de ampla mobilização social da década de 1960.
c) diferem, pois o estudante francês critica a passividade e o político checo privilegia a observação como forma de compreender o mundo.
d) assemelham-se na defesa da participação política ativa da sociedade, embora se vinculem a experiências políticas bastante distintas.
e) diferem, pois, ao contrário da Checoslováquia de então, a França era um país socialista, voltado apenas aos interesses do proletariado.

(UERJ)

Falamos a todo momento em dois mundos, em sua possível guerra, esquecendo quase sempre que existe um terceiro. É o conjunto daqueles que são chamados, no estilo Nações Unidas, de países subdesenvolvidos. Pois esse Terceiro Mundo ignorado, explorado, desprezado como o Terceiro Estado, deseja também ser alguma coisa.
ALFRED SAUVY, Adaptado de France-Observateur, 14/08/1952

Com essas palavras, o demógrafo e economista francês Alfred Sauvy caracterizou, na década de 1950, a expressão Terceiro Mundo.

No contexto das relações internacionais a que se refere o texto, esse conceito foi utilizado para a crítica da:

a) luta pela descolonização
b) expansão do comunismo
c) bipolaridade da Guerra Fria
d) política da Coexistência Pacífica
(UDESC) As décadas de 1950 e 1980 foram marcadas por uma polarização global entre duas formas de pensar e organizar o mundo, conhecida como Guerra Fria.

Analise cada proposição sobre os acontecimentos e processos que contribuem para o entendimento desse período e assinale (V) para verdadeira ou (F) para falsa.

( ) A emergência da União da República Socialista Soviética – URSS, após a Segunda Guerra, como uma das grandes potências militares e políticas do mundo, alarmou os países capitalistas, sobretudo diante do avanço do comunismo na Europa.
( ) A Doutrina Truman foi o ponto de partida para a Guerra Fria; o Plano Marshall, que dela fez parte, foi proposto pelos Estados Unidos com a intenção de conter a expansão socialista, mantendo os países europeus sob influência norte-americana.
( ) O bloqueio de Berlim, em 1948, foi o primeiro grande conflito entre os dois blocos; mais tarde a construção de um muro separando as duas partes da cidade tornaria o Muro de Berlim o principal símbolo da Guerra Fria.
( ) A crise dos mísseis foi um dos momentos mais críticos da Guerra Fria.
( ) A Guerra Fria significou ações que iam da ameaça militar à coação política, econômica e ideológica. A hostilidade gerada por estas ações colocava no horizonte a possibilidade de uma guerra nuclear, gerando um clima de medo que se espraiou para todo o mundo, nesse período.

Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.

a) V – V – V – V – V
b) F – V – F – V – V
c) F – F – V – V – V
d) V – F – F – F – V
e) V – V – V – F – F


(UFMT) Uma sombra se estendeu sobre os cenários há tão pouco tempo iluminados pela vitória aliada. Ninguém sabe o que a Rússia soviética e sua organização comunista internacional pretendem fazer num futuro imediato (...). De Stettin, no mar Báltico, a Triestre, no Adriático, uma cortina de ferro desceu através do continente.

(Winston Churchill. Discurso pronunciado nos Estados Unidos, 1946.Adaptado.)

O discurso foi feito

a) quando se esboçava a Guerra Fria, período no qual a União Soviética e os Estados Unidos disputaram a hegemonia mundial.
b) nos momentos finais da Segunda Guerra, quando a vitória aliada já estava assegurada e Churchill retornava para a Inglaterra.
c) no contexto da tomada de poder pelos bolcheviques russos com a consequente consolidação de seus domínios no leste europeu.
d) no momento em que a União Europeia decidiu fechar as suas fronteiras, em função da imigração crescente vinda do leste do continente.
e) com o intuito de alertar os países da Europa Ocidental a respeito dos riscos de depender do gás e do petróleo vindo da Rússia.

(FEI) Para responder à questão, leia o texto a seguir:

...Os resultados do programa logo se fizeram sentir, em todos os países, nos mais variados setores: na Inglaterra, contribuiu para a expansão da indústria de construção naval; na Itália, viabilizou extensos projetos de recuperação de terras agricultáveis; na Alemanha, possibilitou a introdução de melhoramentos agrícolas e a reconstrução de sua base industrial. De 1948 a 1950, a produção industrial europeia, como um todo, aumentou mais de 25%, e em todos os países atingidos pelo programa, superou os índices de 1938.

(REZENDE FILHO, Cyro B. História econômica geral. São Paulo: Contexto, 1991, p. 233).

O programa mencionado no texto é:

a) a criação da União-Europeia após o término da Segunda Guerra Mundial.
b) o projeto de recuperação europeia elaborado pela OTAN no fim da Segunda Guerra.
c) o Programa de Financiamento Europeu elaborado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) conhecido como a política de "beggar-thy-neighbor".
d) o Comecon (Programa Europeu de Recuperação Comercial), que levou à intensificação do comércio entre seus membros.
e) o plano de recuperação europeia conhecido como Plano Marshal executado a partir de 1947.

(FEI) Na política doméstica, foi um governo caracterizado pela tentativa de ampliação dos direitos civis e da integração racial, sobretudo dos afro-americanos. Na política externa, o seu governo foi marcado
pela tensão da Guerra Fria. Entre as mais importantes crises do período, duas delas estão relacionadas a Cuba, governada por Fidel Castro: a frustrada invasão da Baía dos Porcos e a crise dos mísseis soviéticos.

Trata-se do governo de:

a) Dwight David Eisenhower
b) John Fitzgerald Kennedy
c) James Earl "Jimmy" Carter, Jr.
d) Richard Milhous Nixon
e) Lyndon Johnson

(MACKENZIE-SP)

“Em um zoológico, satisfazem-se as necessidades materiais básicas, mas não se pode sair da clausura. Nessas circunstâncias, muitos animais suspiram por voltar à selva. Sem dúvida, esquecem, ou nunca souberam, que o mundo da selva é cruel e que poucos ali sobrevivem decentemente e menos ainda são os que triunfam. Além disso, durante o período da grande transição, as vantagens do zoológico são subestimadas e as da selva, exageradas.”

L. Enmerij, “Perestroika en Occidente”, in R. Haesbaert, Blocos internacionais no poder.

Considerando o processo de declínio do mundo socialista, o texto sugere que

a) os problemas sociais observados nos países do antigo Bloco Socialista não seriam solucionados com a simples transição para o Capitalismo.
b) a Glasnost - e sua proposta de transparência política - deixou nítida a superioridade técnica e social gerada pelo Capitalismo, em comparação com o Socialismo.
c) havia, a partir da Perestroika, esperanças de que o mundo sucumbisse à estabilidade econômica e social promovida pelo Socialismo Utópico.
d) a democracia e a liberdade, típicas do mundo capitalista, promoveram a superação dos problemas de ordem social que o sistema possa ter originado, daí sua supremacia.
e) o elevado padrão de vida, a igualdade social e a democracia, garantidos pela estrutura socialista, a exemplo da ex URSS, nunca serão atingidos dentro do mundo capitalista.

(PUCRIO) A partir da observação dos mapas sobre a Descolonização no Sudeste Asiático e na África, entre 1945 a 1990, é CORRETO afirmar que:


Fonte: O século XX. Volume III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

a) na década de 1960, observou-se um declínio dos processos de independência na África e na Ásia provocado pelo acirramento da Guerra Fria envolvendo as potências colonizadoras.
b) a Ásia precedeu a África no processo de descolonização, devido ao fato de os grandes impérios ali existentes terem mantido suas tradições políticas e culturais e resistido ao processo de modernização capitalista iniciado com o Imperialismo.
c) o processo de descolonização da maior parte dos territórios da África e do Sudeste Asiático ocorreu na década de 1950 devido à influência das resoluções tomadas na Conferência de Bandung, em 1955.
d) na década de 1970, ocorreram na África os últimos movimentos de independência nas regiões colonizadas pelos portugueses, fato relacionado à ascensão da ditadura de Salazar em Portugal.
e) o processo de descolonização da África e da Ásia ganhou força a partir do final da 2ª Guerra Mundial, momento de declínio político da Europa e de crescimento das aspirações de independência dos povos dominados.

(ESPM) A imagem apresentada deve ser relacionada à uma das alternativas:

(O Pasquim: antologia. Volume I – 1969-1971)

a) ditadura do Estado Novo comandada por Getúlio Vargas;
b) implantação do Estado autoritário pelo governo de Marechal Castelo Branco;
c) imposição do Ato Institucional no 5 pelo governo de Marechal Costa e Silva;
d) campanha das Diretas-Já no governo do general João Figueiredo;
e) período do milagre econômico brasileiro no governo do general Garrastazu Médici.

(UFC) “É preciso dizer que o que ocorreu comigo não é exceção, é regra. Raros os presos políticos brasileiros que não sofreram torturas. Muitos, como Schael Schreiber e Virgílio Gomes da Silva, morreram na sala de torturas. Outros ficaram surdos, estéreis ou com outros defeitos físicos.” BETO, Frei. Batismo de Sangue: guerrilha e morte de Carlos Marighella. 14. ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

A partir desse trecho do depoimento de frei Tito de Alencar, escrito na prisão, em 1970, assinale a alternativa correta sobre a situação dos direitos humanos no decorrer da ditadura instalada no Brasil em 1964.

a) Os governos estabelecidos depois de 1964 conseguiram provar que os que morreram na prisão já estavam doentes e não aceitavam o tratamento médico oferecido.
b) A tortura realizada nas delegacias de polícia era uma exceção, na medida em que havia a publicação de reportagens na imprensa com o objetivo de defender os direitos humanos.
c) A tortura de presos começou a ser utilizada no Brasil a partir de 1972 e foi abolida com o movimento em torno da Anistia em 1979, em sintonia com os movimentos pelos direitos humanos.
d) A coerção em torno dos meios de comunicação e a tortura em presos políticos eram meios utilizados pelo regime de 1964 para reprimir movimentos e opiniões divergentes da ideologia oficial.
e) A repressão aos meios de comunicação se realizou a partir do Governo do Presidente Médici, momento em que se inaugura a prática da tortura para obter depoimentos de subversivos.

(UNESP) Leia com atenção os textos

I. “A política internacional do pós-guerra apresenta duas características que a distinguem de todos os períodos anteriores: a universalidade das relações entre Estados e a bipolarização do poder planetário. A universalidade das relações entre Estados é fruto da desagregação definitiva dos impérios coloniais. A descolonização da Ásia e da África, que se iniciara no entreguerras, praticamente se completa na década de 60. O aparecimento de dezenas de novos países independentes cria, pela primeira vez, uma diplomacia efetivamente mundial”.

II. “A bipolarização do poder planetário é resultado do enfraquecimento geopolítico das antigas potências e da emergência de duas superpotências capazes de desencadear a destruição de todo o sistema mundial de Estados”.

III. “Comandando direta ou indiretamente dezenas de Estados abrigados em suas áreas de influência, as superpotências encetam uma disputa pela hegemonia mundial que tem repercussões nos planos político, econômico e propagandístico. [...] A diplomacia contemporânea se desenvolve em circunstâncias sem precedentes. Raras vezes existiu base menor de entendimento entre as grandes potências, mas tampouco jamais foi tão coibido o uso da força”.

(Demétrio Magnoli, O mundo contemporâneo, Relações Internacionais 1945 a 2000. São Paulo: Moderna, 2002. Adaptado.)

Os textos referem-se, respectivamente, a:

a)

I. Organização das Nações Unidas (ONU);
II. Inglaterra e França;
III. Doutrina Monroe.

b)

I. Organização das Nações Unidas (ONU);
II. Estados Unidos e a União Soviética;
III. Guerra Fria.

c)

I. Organização dos Estados Americanos (OEA);
II. Reino Unido e Japão;
III. Plano Marshall.

d)

I. União Europeia;
II. Canadá e EUA;
III. Doutrina Truman.

e)

I. Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN);
II. Alemanha e França;
III. Conferência de Potsdam.

(FGV-RJ) Em 20 de julho de 1969, o mundo acompanhou maravilhado o desembarque dos astronautas
da missão Apollo 11 em solo lunar. No dia seguinte, o jornal New York Times abordaria o evento de um ponto de vista exterior à humanidade, estampando poesia na primeira página: “Homens andam na Lua”. Algumas linhas abaixo, o jornal trazia a celebre frase pronunciada por Neil Armstrong ao pisar em solo lunar: “Um pequeno passo para um homem, um gigantesco salto para a humanidade”.

Considerando o contexto mundial na década de 1960 e a chegada do homem à Lua, podemos considerar:

(I) A conquista da Lua e os consequentes avanços tecnológicos frutos dessa realização só podem ser compreendidos no contexto da Guerra Fria, período em que duas superpotências (EUA e URSS) lutavam pela hegemonia política e militar do mundo.
(II) Na verdade, a URSS não representou uma ameaça à hegemonia norte-americana durante a corrida espacial, uma vez que, nesse período, os soviéticos desenvolveram, em parceria com os EUA, as estações espaciais para pesquisa científica na órbita da Terra.
(III) Decididos a superar os soviéticos, os EUA criaram a NASA - Agência Espacial norte-americana
– e cumpriram o desafio proposto pelo então presidente John F. Kennedy, de levar um astronauta até a Lua e trazê-lo de volta, em segurança.
(IV) Com o fim da Guerra Fria, os EUA e a URSS perderam interesse pela corrida espaciale passaram a priorizar a luta contra o terrorismo, principalmente após a invasão do Iraque e do Afeganistão e os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.
(V) corrida espacial teve início com o lançamento do Sputnik - primeiro satélite artificial da Terra – pela URSS, que, anos depois, mandou para o espaço o cosmonauta Yuri Gagárin, pioneiro das missões tripuladas.

a) I e II estão corretas.
b) II e IV estão corretas.
c) II, III e V estão corretas.
dI, III e V estão corretas.
e) Todas as afirmações estão corretas.

Leia os textos, observe a charge e responda às duas próximas questões

Texto I

Em 1938, O. Hahn e F. Strassmann, ao detectarem bário numa amostra de urânio 238 bombardeada com nêutrons, descobriram a fissão nuclear induzida por nêutrons. A colisão de um nêutron com um núcleo de um isótopo, como o 235U, com sua consequente absorção, inicia uma violenta vibração, e o núcleo é impelido a se dividir, fissionar. Com a fissão cada núcleo de 235produz dois ou mais nêutrons, propiciando uma reação em cadeia.

(Adaptado de: OHANIAN, H. C. Modern physicNew York: Prentice Hall inc. 1995, 2 ed. p. 386.)

Texto II
A reação em cadeia explosiva do 235deu um banho de radiação mortífera no centro da cidade: Cerca de dez quilômetros quadrados de Hiroshima ficaram torrados. Noventa por cento dos prédios da cidade foram destruídos. Os médicos que ainda estavam vivos não tinham ideia do tipo de arma que havia sido empregada. Mesmo quando se anunciou que uma bomba atômica fora lançada, eles não tinham noção do mal que ela pode fazer ao corpo humano nem dos seus sintomas posteriores. Era uma revolução na ciência e na guerra.

(Adaptado de: SMITH, P. D. Os homens do fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 359-360.)


(HENFIL. Hiroshima meu humor. 4 ed. São Paulo: Geração, 2002, p. 19.)


(UEL) Com base na charge e nos conhecimentos sobre a geopolítica no contexto da ordem mundial bipolar, assinale a alternativa correta.

a) A geopolítica mundial, inerente à Guerra Fria, caracterizou-se pela desmilitarização das relações internacionais, em face da ameaça de extermínio nuclear.
b) A ameaça norte-americana de empregar artefatos nucleares na Guerra do Vietnã restringiu o avanço do bloco socialista ao Leste Europeu.
c) A adoção de um modelo político pluripartidário pelo Vietnã do Norte resultou da influência chinesa e do apoio militar baseado em seu arsenal nuclear.
d) A troca do domínio colonial japonês sobre o Vietnã pela hegemonia chinesa amenizou a disputa nuclear entre o bloco socialista e os EUA no Sudeste Asiático.
e) A eclosão de diversas guerras regionais no período da Guerra Fria, a exemplo da Guerra do Vietnã, substituiu o confronto bélico direto entre as superpotências.

(UEL) Assinale a alternativa que apresenta uma das principais razões alegadas por Harry Truman, presidente dos EUA, para justificar o uso da bomba atômica contra as cidades de Hiroshima e Nagazaki em agosto de 1945.

a) Apesar das vitórias dos EUA no Pacífico, os japoneses apresentaram notável resistência devido ao emprego de kamikazes, gerando a perspectiva de prolongamento da guerra.
b) A base industrial do Japão não fora destruída pelos bombardeios convencionais, permitindo ao país a continuidade da produção de armamentos em pé de igualdade com os aliados.
c) A despeito das vitórias sobre os alemães na Europa, os exércitos dos EUA e da URSS não tinham condições de promover uma invasão no Japão devido ao seu caráter insular.
d) A resposta negativa do Japão aos EUA e à Inglaterra, que buscavam negociar o fim da guerra e evitar o crescimento da ofensiva nipônica.
e) Para garantir a supremacia dos interesses liberais e capitalistas no pós-guerra, era necessário impedir a conquista do Japão pela URSS, evitando que o Pacífico ficasse sob a influência soviética.

(UERJ)


Em 2009, comemoram-se na Alemanha vinte anos da derrubada do Muro de Berlim. Sua construção, em 1961, esteve relacionada à:

a) divisão étnica da cidade
b) crise dos regimes democráticos europeus
c) bipolaridade das relações internacionais
d) reação nacionalista à influência estrangeira

(UFBA)


Logo após o final da Segunda Guerra Mundial (1945), o grande império soviético estava dividido administrativamente em 15 repúblicas federadas unidas por um governo central (Moscou). Essa organização se manteve até agosto de 1991, quando, após meio século de crescimento, o império soviético se desmantelou e a situação se modificou na transição para o capitalismo, deixando várias sequelas. (ADAS, 2001, p. 35).

Fundamentado no mapa, no texto e nos conhecimentos sobre a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e sua desintegração,

• mencione como se organizou o espaço da União Soviética quando foi desintegrado politicamente, em 1991;
• cite dois efeitos negativos ocorridos na Federação Russa, após o fim da União Soviética.

Resolução:

• Organização do espaço da União Soviética:
Surgiram vários países independentes, dentre os quais o principal é a Federação Russa. Foi criada a
Comunidade dos Estados Independentes (CEI), um fórum de coordenação política e econômica entre
12 das 15 ex-repúblicas soviéticas.

• Efeitos negativos ocorridos na Federação Russa após o fim da União Soviética:
― Conflitos étnicos;
― Tendência à fragmentação;
― Problemas resultantes da transição para o capitalismo — inflação, recessão, desemprego e crescimento das máfias em vários setores da economia;
― Sucateamento das empresas por falta de investimentos significativos;
― Agravamento da pobreza;
― Economia enfrenta sérias dificuldades.

(UFRN) O fim da Guerra Fria encerrou um período caracterizado pela bipolarização entre o bloco capitalista e o socialista.
Explicite as modificações ocorridas, após o fim da Guerra Fria, em quatro países da Europa as quais alteraram o mapa político desse continente.
Resolução:

O mapa político da Europa foi alterado com:

- Reunificação da Alemanha – os territórios da Alemanha Ocidental e Oriental foram reunificados, dando origem a Um único país, denominado Alemanha.
- Fragmentação da Iugoslávia – o território iugoslavo foi dividido, dando origem a novos países como Sérvia, Montenegro, Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegovina e Macedônia
- Divisão da Tchecoslováquia – o território do referido país foi dividido, propiciando a emergência de dois países: República Tcheca e República Eslovaca.
- Fragmentação da URSS – o território soviético foi dividido, fazendo surgir 15 novas repúblicas, entre elas, Ucrânia, Bielo-Russia e Moldávia.

(UFSC) Em novembro de 2009, comemorou-se de várias formas os 20 anos da queda do muro de Berlim.

Em relação a este tema, é CORRETO afirmar que:

01. tratava-se de uma divisão simbólica entre dois blocos ideológicos, o socialismo e o capitalismo, separados por uma profunda e irreconciliável divisão no campo das ideias, comparada, por isso, a um muro.
02. o muro de Berlim foi levantado na capital alemã por determinação de Adolf Hitler, como demonstração de força do nazismo, para separar os judeus dos alemães.
04. foi construído por determinação das forças que compunham a OTAN, especialmente a Alemanha Oriental, tendo sido um resultado da guerra fria.
08. a queda do muro de Berlim foi uma necessidade que se impôs frente à nova configuração econômica da Europa, isto é, à constituição de um bloco de países que adotou o euro como moeda comum.
16. a sua construção foi motivada para conter a emigração de alemães orientais, em grande número, para o lado capitalista, especialmente de trabalhadores com alta qualificação profissional.
32. considerando que as potências aliadas na II Guerra Mundial decidiram dividir a Alemanha em quatro zonas de influência (norte-americana, soviética, inglesa e francesa), a queda do muro foi uma consequência inevitável.
64. o muro de Berlim dividiu a capital da Alemanha em área comunista e área capitalista, cabendo aos cidadãos decidirem em qual dos lados se estabelecer.

Resposta: 16

(MACKENZIE) A estrutura psicológica do ser humano não suporta que a dor e a angústia se mantenham tão vivas na memória como no momento em que ocorreram. [...] Por isso, agora, ao sairmos desses 20 anos difíceis e doloridos de nossa história, a lembrança de que houve irmãos nossos, nesse período, que perseguiam sem piedade, torturaram e mesmo mataram pessoas pelo simples fato de elas se oporem ao governo que se impôs ao país em 1964, parece mais pesadelo do que realidade. E, no entanto, esse absurdo ocorreu, aqui em nossa terra, como se um vendaval frio de loucura tivesse gelado esses corações. [...] Que objetivos justificam tudo isso?
D. Paulo Evaristo Arns

Identifique a alternativa relacionada ao contexto histórico citado.
a) O Brasil, liderado pelos Estados Unidos, vivia guerra aberta contra o narcotráfico que, aliado às FARC, assolava a América do Sul, sobretudo a região de fronteira amazônica.
b) A chamada “guerra das civilizações” entre Ocidente e Oriente ameaçava a hegemonia americana; apoiando ditaduras militares, os EUA procuravam deter o avanço do fanatismo islâmico na América.
cO mundo encontrava-se em sua ordem bipolar e os Estados Unidos procuravam, por meio do apoio a golpes e a regimes ditatoriais na América Latina, deter o avanço do Comunismo.
d) O avanço da ideologia nazista pelo mundo e as pretensões imperialistas alemãs justificam as práticas autoritárias citadas, que garantiriam o sucesso da Doutrina de Segurança Nacional.
e) O crescimento do Positivismo entre os líderes populistas ameaçava os ideais neoliberais das Forças Armadas, que tomaram o poder e implantaram um verdadeiro “terror de estado” no país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário